sexta-feira, 1 de maio de 2015

O estranho caso do livro que lia o leitor (capítulo I)

Só o candeeiro em cima da secretária estava aceso, a luz amarela debruçava-se interessada sobre os pergaminhos que eram lidos por um homem curvado que segurava um grande monóculo. À volta a penumbra ia-se adensando e a escuridão envolvia as pinturas a óleo dos seus antepassados, pinturas que haviam sido penduradas há mais de dois séculos naquelas paredes apaineladas a madeira. À esquerda um retrato enorme da sua mãe, vestido comprido, verde esmeralda, de rendas e damasco, pregueado na cintura, uma pequena tiara de diamantes sobre um cabelo loiro apanhado e no ombro, em destaque, a tatuagem de uma caveira. À direita, dentro da grande moldura, o seu bisavô, cota de malha metálica, armadura com uma couraça anelada composta de lâminas de oiro e de metal entrelaçadas, elmo de bronze na mão direita e sabre de luz à cintura. O homem do monóculo levantou-se de repente atirando a cadeira para trás com tal violência, que o leitor, que acompanhava a descrição silenciosa daquela cena, deu um salto no no seu cadeirão, deixando cair o livro sobressaltado, livro que foi apanhado acto contínuo, para ficarmos a saber que o homem do monóculo se dirigiu rapidamente à porta, que entreabriu e, de costas para a grande sala, espreitou demoradamente através da frincha que se abria sobre o longo corredor. E o leitor, curioso, esticou o pescoço acima daquelas linhas, para, também ele, tentar espreitar através da frincha, mas o homem do monóculo, desconfiado, olhou-o de soslaio e fechou imediatamente a porta, dando duas voltas na fechadura com a grande chave de ferro escurecido. 

34 comentários:

  1. Fica-nos uma vontade mórbida de ler o livro que nos lê... imagino que tenho sido encadernado em crocodilo de lago e que possa ferrar o leitor de vez em quando também...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então trate de o continuar! (vá lá, vá lá, vá lá! :D) Que eu também quero saber o que vem a seguir! :)

      Eliminar
    2. Completamente no escuro, o leitor reparou que uma ténue fulgência aureolava o livro fechado que segurava ainda a tremer. Abre-o com cuidado, temeroso, deixando cair algo guardado no seu interior. Olha em seu redor e apanha o objecto que cintila a seus pés : é o monóculo.
      Observando perscrutante e objectivamente a lente conclui que não é um monóculo qualquer. É formado pela justaposição de várias lentes que juntas são incolores, mas separadas adquirem tonalidades estranhas que permitem observar e interpretar o leitor de diferentes ângulos , prismas e realidades. Um, dois, três, quatro, cinco, seis... seis aros, seis cores, seis lentes, A sexta lente era negra e tinha gravados vários símbolos: uma chave, uma caveira , pássaros cor de rosa a fumar charuto, coordenadas de latitude e longitude e a palavra currere.

      Eliminar
    3. <3

      E agora? o que vem a seguir?! Que nervos! :D

      (Tem de publicar no seu blog, para a poder linkar e ficarmos todos com a sequência da história :))))

      Eliminar
    4. Li os três capítulos, e adorei. Parabéns aos três.
      Quem vai continuar esta saga?
      Um abraço da

      Eliminar
  2. Palmier é a unica a conseguir que. tio pipoco participe na continuação desta história. Faz-nos esse favor?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum... será?! Não sei se me daria ouvidos... :(

      Eliminar
  3. Há alguém a escrever o IV ou posso publicar o post? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É publicar G. Ansiosa por saber a continuação :D

      Eliminar
  4. Vem uma pessoa aqui num pulinho "ah e tal vou só ali dar uma gargalhadinha, coisa rápida, não demoro" e acaba atacada dos nervos a ler 4 capítulos de uma estória que já vai bem lançada.
    É favor dizer onde me devo dirigir a seguir para ler a continuação (queira Deus que não tenha que saltar nenhum capítulo…)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E por que razão não lhe dás continuação, hum?! Isso é que eu gostava de saber! :D

      Eliminar
    2. Impossivel…para isso não poderia perder pitada… nenhum capítulo compreendes?

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Apoiado! A ver se o homem vai ao mar, parece-me abatido :)

      (A Luisinha aceitou!!!)

      Eliminar
    2. Depois de cabeças decepadas, só mesmo o desvendar do mistério do símbolo da caveira, oh grande Capitã Cooka !!! :) :)

      Eliminar
  6. Ui... Isto anda tão depressa. Estava eu a aceitar o desafio da G.,e quando venho aqui buscar o link do capítulo I, já cá está o V.
    Poderá o meu ser o VI ? Orientações numéricas, please....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, Luísa :))) estamos todos ansiosos para ler a continuação :)

      Eliminar
  7. Fantástico. como sempre que te dedicas à escrita :)

    ResponderEliminar
  8. O Pipoco Mais Salgado dará conta do capítulo IX.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que é desta que se revela o mistério?! :D

      Eliminar
  9. (Palmier, trago mais um "voluntário", O Lourenço da Julinha :) Há-de passar por cá a pedir instruções, guarda-lhe o X :)

    ResponderEliminar