segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Eu não tenho uma Dona Aureliana

Mas tenho o Senhor Carlos. O senhor Carlos dá-me almoço quase todos os dias da semana, a mim e a mais uns quantos, que aquilo no restaurante do Senhor Carlos é uma roda-viva. Não sei bem como, mas o Senhor Carlos consegue-nos sempre uma mesa, nem que para isso tenha de subir o volume do rádio e desligar o ar-condicionado, e é ver os clientes a debandar sem perceberem bem porquê e o senhor Carlos a piscar-nos o olho, mas uma mesinha para nós é que não pode faltar, sendo que é preciso ver que o espaço está milimetricamente aproveitado e para uns se sentarem, os outros têm de se levantar, como naqueles joguinhos que havia antigamente, que funcionavam dentro de um quadrado e tinha de se pôr as peças por ordem e só havia uma casa livre; o Senhor Carlos não tendo o sotaque arrastado de quem atravessou o equador, e porque passou muitos anos a trabalhar nos hotéis em França, fala fluentemente cinco línguas, ele é italiano, castelhano, francês, inglês e alemão, mas fala mesmo, não julguem que o senhor Carlos se limita a arranhar, de tal forma que ali as amizades se fazem à velocidade da luz e os estrangeiros voltam ano após ano. E é uma festa cada vez que voltam, há beijos e abraços como num reencontro de família. Às vezes toda a gente canta porque o Senhor Carlos dá o mote e muitas vezes toda a gente ri, sobretudo quando o Senhor Carlos quer porque quer aparecer nas selfies com o peixe grelhado . No Senhor Carlos também não precisamos de nos preocupar com isso do dinheiro, que se não o tivermos na carteira pagamos no dia seguinte, ou se ele não tiver troco fica logo pago para amanhã. Nos dias de pernil o Senhor Carlos prepara-nos um peixinho cozido, nos dias de feijoada um bacalhau com grão e nos dias em que não nos apetece nada o senhor Carlos dá-nos o almoço do pessoal, aquela massa grossa com frango. Também aconteceu que um dia em que não tinha companhia, que eu sem companhia não gosto de almoçar, o Senhor Carlos, ao ver-me passar para ir à farmácia assomou à porta para saber de mim, que parecia impossível não me alimentar como deve ser, e, quando voltei, lá estava ele no passeio, com um sorriso e um pratinho tapado com um guardanapo, lá dentro um prego para eu levar para o escritório, que não me queria a passar fome. Por isso é que, não sei se já disse que, não tendo uma Dona Aureliana, posso afirmar com orgulho que tenho um Senhor Carlos. E quem tem um Senhor Carlos tem tudo.

E agora tenho de ir almoçar, que já são horas, e o Senhor Carlos está à minha espera :)

13 comentários:

  1. E como diz o velho ditado "Barriga cheia, cara alegre", é uma alegria de ler !
    :) :)

    ResponderEliminar
  2. Bolas, agora fiquei para aqui a pensar que gostava mesmo de ter um Senhor Carlos desses :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens de arranjar o teu próprio Senhor Carlos, que este é meu! :DDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Desculpa lá, mas esse Senhor Carlos merece ser do Mundo :DDDD

      Eliminar
    3. Quéláisto?! Querem-me furtar o meu Senhor Carlos?! :DDDDDDDDDD

      Eliminar
  3. Eu sou uma infiel! Tenho uma Lenita e um Hélio. Uma e outro, quando há novidade na ementa, convidam-me para degustar e opinar :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mep, Mep, Mep... Isso é praticamente bigamia! :DDDDDDDDDD

      Eliminar